Processo de destilação para redução de contaminação por carbamato de etila em bebidas alcoólicas

>Descrição

Processo de destilação de bebidas alcoólicas com redução de contaminantes

“Processo reduz a quantidade de carbamato de etila sem alterar a qualidade sensorial do produto final.”

Descrição: A tecnologia compreende um novo processo de destilação de bebidas alcoólicas que reduz a produção de contaminantes como o carbamato de etila no produto final. O diferencial consiste na utilização de um dispositivo de prata que reduz a produção de carbamato de etila e mantém a qualidade sensorial do produto final.

Problema: O carbamato de etila é uma substância potencialmente cancerígena encontrada em níveis aceitáveis em diversos alimentos e bebidas onde ocorrem processos fermentativos, como vinhos, iogurtes, queijos e cervejas. No entanto, a substância tem sido encontrada em concentração acima da permitida pela legislação nacional em aguardentes de cana e em cachaças. A substituição do cobre pelo aço-inox nos equipamentos de destilação reduz a produção do contaminante, mas origina uma bebida de má qualidade sensorial. Atualmente, a barreira técnica de maior relevância na exportação da cachaça é a quantidade de carbamato de etila encontrada no produto final.

Solução Proposta: Foi desenvolvido um processo de destilação de bebidas alcoólicas utilizando um dispositivo de prata que reduz a concentração de carbamato de etila no produto final. Todos os resultados obtidos durante o desenvolvimento do processo indicaram produto final com concentração de carbamato de etila dentro do nível limite imposto por lei.

Benefícios: O processo desenvolvido garante a produção de aguardente e cachaça com menor concentração de contaminantes. Sensorialmente não se observou diferença significativa entre os produtos provenientes do novo processo em comparação com a destilação comumente empregada.

Oportunidade de Mercado: O Brasil possui capacidade instalada de produção de Cachaça de aproximadamente 1,2 bilhão de litros. Atualmente, são mais de 40 mil produtores e mais de quatro mil marcas em atividade. No entanto, menos de 1% da produção é exportada. Em 2007, foram exportados cerca de nove milhões de litros, tendo como destino países como Estados Unidos, Alemanha e França (IBRAC, 2008). Uma das barreiras à exportação é a contaminação por carbamato de etila e é esse entrave que a tecnologia visa solucionar.

Informação da Patente:
Informações, Contactar:
Agência Unesp de Inovação
Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Unesp
 
Inventores:
João Bosco Faria
Aline Ferreira Cavalcanti
Luiz do Carmo Mattar
Palavra-chave:
Engenharia Química
Química
Tecnologia de Alimentos