Biofungicida contra Aspergillus flavus e outros fungos patogênicos

>Descrição

“Compostos apresentam atividades fungicida e fungiostática elevadas, combinadas à biodegradabilidade e baixa toxicidade”

 

Descrição: A tecnologia compreende o processo de obtenção de compostos com atividade fungicida e fungistática, bem como sua utilização como biofungicida no controle de contaminação de grãos por fungos patogênicos.

Problema: Fungos patogênicos afetam a produção e armazenamento de grãos como amendoim, milho, soja e feijão. Estes produzem toxinas que causam risco à saúde de humanos e animais, como a aflatoxina, que muitas vezes pode levar à morte quem a ingere. Atualmente o controle é feito pelos métodos de secagem e manutenção dos grãos armazenados em locais secos, garantindo a redução do teor de umidade ou utilização de fungicidas químicos. O primeiro método não se mostra eficaz em períodos chuvosos de maior umidade e o segundo se utiliza de produtos químicos tão nocivos à saúde quanto as toxinas.

 

Solução Proposta: A tecnologia propõe o uso de biofungicida natural para o controle de fungos. Os compostos sintetizados possuem massas moleculares e composições definidas que permitem maximizar a atividade fungicida. O produto é biodegradável e pode ser aplicado por meio de aspersão sobre os grãos armazenados, evitando a contaminação e proliferação de fungos.

 

Benefícios:

- Composto biodegradável com atividades fungicida e fungiostática;

- Combate fungos que afetam grãos como amendoim, milho, soja e feijão;

- Composto de matéria-prima natural abundante e renovável;

- Baixa toxicidade, bastante abaixo dos fungicidas químicos

 

Oportunidade de Mercado: Além de representar um problema de saúde pública, os fungos patogênicos em grãos afetam diretamente as finanças do produtor e do cliente. Perdas de grandes estoques de grãos por contaminação são comuns, assim como intoxicação e mortes de animais, como bovinos, suínos e aves, que ingerem grãos contaminados. A contaminação do amendoim brasileiro e seus subprodutos por aflatoxinas atinge níveis elevados, conforme demonstrado por meio da análise de amendoim nas regiões Sul e Sudeste, os quais apresentaram, respectivamente, 27% e 49% de suas amostras contaminadas com mais de 30 µg/kg de aflatoxinas totais (IAPAR, 2009). Os três países mais notificados por contaminação de grãos por aflatoxinas pela União Européia, em 2006, foram China (76 notificações), Argentina (46 notificações) e Brasil (23 notificações).

Informação da Patente:
Informações, Contactar:
Agência Unesp de Inovação
Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Unesp
 
Inventores:
Márcio José Tiera
Vera Ap. Oliveira Tiera
Juliana dos Santos Gabriel
Rafael de Oliveira Pedro
Palavra-chave:
Agronomia
Biotecnologia
Química
Tecnologia de Alimentos