Técnicas de modificação de superfície para produção de implantes dentários de titânio

>Descrição

“Tecnologia aprimora a qualidade dos implantes dentários garantindo maior durabilidade e melhor interação do implante com as células ósseas do paciente”

 

Descrição: A tecnologia consiste de duas novas técnicas de modificação de superfície de implantes dentários visando melhorias na eficácia dos mesmos. O diferencial, além dos parâmetros específicos envolvidos nas técnicas, é o uso de dois novos materiais para a produção: tântalo e molibdênio. A tecnologia é aplicável na indústria de materiais odontológicos e possibilita a produção de novas séries de implantes dentários com maior qualidade aos atualmente disponíveis no mercado.

Problema: Os tipos de implantes dentários mais encontrados no mercado são confeccionados a partir de titânio comercialmente puro e Ti6Al4V com tratamentos superficiais em micro-escala. No entanto, esses produtos apresentam alguns inconvenientes em longo prazo que podem acarretar na perda do implante. As modificações no desenho do corpo e na superfície do implante têm sido sugeridas para aumentar eficácia dos implantes por meio do ganho de uma melhor ancoragem e uma maior área de superfície para a distribuição das cargas oclusais.

 

Solução Proposta: A técnica desenvolvida consiste da modificação da superfície dos implantes empregando oxidação anódica em ligas de tântalo e molibdênio, substituindo o titânio comercialmente puro. A tecnologia proporciona maior qualidade da interação do implante com as células ósseas, melhoria na biomecânica da distribuição de forças e maior taxa de sucesso em longo prazo.

 

Benefícios:

- Implantes de tântalo e molibdênio de maior qualidade

- Maior qualidade da interação do implante com as células ósseas

- Melhoria na biomecânica da distribuição de forças

- Maior taxa de sucesso em longo prazo

 

Oportunidade de Mercado: Ao menos 60% da população brasileira não possui a arcada dentária completa. Nesse cenário, o mercado de implantes encontrou grande demanda no Brasil e espaço para crescer: 800 mil implantes e 2,4 milhões de componentes de próteses dentárias são consumidos por ano no país, segundo dados da Associação Brasileira da Indústria Médica, Odontológico e Hospitalar (Abimo). 90% deste mercado é atendido pela indústria nacional, que vem crescendo, investindo em tecnologia e já exporta para diversos países. O preço de um implante pode variar de R$ 400 a R$ 2 mil, de acordo com a clínica e o tipo de implante.

Informação da Patente:
Informações, Contactar:
Agência UNESP de Inovação
Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Unesp
auin@unesp.br
Inventores:
Ana Paula Rosifini Alves Claro
Ana Lúcia do Amaral Escada
Ketul Chandrakant Popat
Patrícia Capellato
Palavra-chave:
Engenharia de Materiais e Metalúrgica
Novos Materiais