Materiais transparentes e flexíveis à base de celulose

>Descrição

Materiais transparentes e flexíveis à base de celulose

 

"Telas grandes, superfinas e com alta resolução... Displays flexíveis embutidos em roupas e materiais médicos... Um livro inteiro “impresso” em uma única página... Anúncios interativos em jornais e revistas... Este é o futuro com o desenvolvimento de materiais transparentes e flexíveis."   

 

Descrição: Material multifuncional, transparente e flexível, composto de celulose e substâncias inorgânicas.

 

Problema: Desde a década de 1960, a indústria de eletrônicos busca por displays flexíveis e substitutos do vidro em seus produtos. Uma das limitações em se utilizar o vidro está relacionada à dificuldade em se preparar dispositivos flexíveis/dobráveis, uma vez que os mesmos sofrem fraturas facilmente. Como alternativa, a utilização de polímeros como substratos para dispositivos opto-eletrônicos possibilita a obtenção de sistemas mais leves, flexíveis e portáteis, sem perder a transparência e resistência necessárias.

Grande parte dos polímeros empregados hoje em dia são sintéticos ou derivados do petróleo, e requerem diversos tratamentos adicionais para gerar um substrato ideal e, na maioria das vezes, não são biocompatíveis e nem biodegradáveis. Atualmente, há uma grande demanda pela busca de componentes eletrônicos “verdes” ou seja, oriundos de fontes renováveis com alto potencial de reciclagem.

 

Solução Proposta: Materiais com alto grau de transparência, flexibilidade e biocompatibilidade, obtidos a partir de matriz orgânica renovável e componentes inorgânicos.

 

Benefícios:

- Transparência de 80 a 90% (550nm);

- Flexibilidade;

- Biodegradável (reduz impacto ambiental);

- Biocompatível (pode ser utilizado em aplicações médicas);

- Construção de membrana “layer by layer”;

- Resistente a temperaturas de 30 – 250ºC (perda de 20% de massa);

- Baixa difusão de O2 (28mL/m²/dia);

- Resistência mecânica (tensão máxima 116MPa; elongação de 2,5%).

 

Potencial de Mercado: Segundo dados do BNDES (2009), o país importou, em 2007, US$ 1,3bi em eletrônicos de consumo e US$ 7,6bi em componentes eletrônicos sendo que deste valor, US$ 534mi são importações de semicondutores discretos, categoria que abrange a tecnologia.

 

http://unesp.technologypublisher.com/files/sites/auin-035-10---materiais-transparentes-e-flexíveis-a-base-de-celulose.pdf

Informação da Patente:
Categoria(s):
Novos Materiais
Informações, Contactar:
Agência Unesp de Inovação
Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" - Unesp
 
Inventores:
Younès Messaddeq
José Maurício Almeida Caiut
Hernane da Silva Barud
Sidney José Lima Ribeiro
Palavra-chave:
Biotecnologia
Engenharia de Materiais e Metalúrgica